quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Médico testemunha de jeová é acusado de homicidio por deixar jovem morrer sem atendimento



Por dois votos a um, a 9ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu no dia 28 de janeiro levar a júri popular sob a acusação de homicídio um médico que deixou uma jovem morrer ao impedir que ela recebesse uma transfusão de sangue.

A jovem, que sofria de leucemia, seria salva com o procedimento.

O médico e a família da jovem são da Testemunhas de Jeová, religião cuja doutrina proíbe os fiéis de serem submetidos à transfusão porque na Bíblia está escrito “abstende-vos de sangue”. (Atos 15:29).

Os pais da adolescente também serão levados a julgamento sob a mesma acusação.

A decisão do Tribunal confirmou sentença de primeira instância. Como um desembargador votou contra a acusação, os três TJs poderão recorrer. Eles têm, portanto, uma chance de escaparem do júri popular.
É comum fiéis das TJ impedirem que familiares sejam salvos pela transfusão. Mas médico é raro.

Quando se formam, os médicos juram respeitar a vida humana, não permitindo, entre outros compromissos, que “concepções religiosas” intervenham no seu dever e com seus pacientes.

Mas o médico desse caso chegou a ameaçar o hospital de processá-lo caso fosse feita a transfusão, conforme consta nos autos.

Os responsáveis pelo hospital argumentaram que a adolescente morreria em poucos dias se a a leucemia não fosse combatida pelo tratamento de praxe.

Como o apoio do médico, os pais da jovem responderam que preferiam que ela morresse a autorizar a transfusão.

A garota morreu dois dias depois ter sido internada em uma cidade do litoral sul de São Paulo. Foi em julho de 1993.

Para o desembargador Nuevo Campos, que votou contra a acusação, o médico e os pais da adolescente não podem ser incriminados porque a Constituição garante a liberdade religiosa.

Outros dois desembargadores invocaram o direto à vida, que também é constitucional.

No entendimento de Galvão Bruno, o relator, e Sérgio Coelho, a liberdade religiosa não é mais importante do que a vida.


Em Paulopes Weblog via Cristão Confuso


O site Consultor Jurídico oferece uma outra abordagem da questão muito interessante.

Mais uma vítima das testemulhas de jeová. Espero que os fanáticos desta seita TJ não escapem da justiça. Lamentável quando a ignorância dos pais custa a vida dos filhos.

2 comentários:

  1. Tenho 17 anos, sou uma ex testemunha de jeová, tive leocemia a 2 anos e qdo souberam q tinha q toma transfusões me fizeram mta pressão psicológica o q me fez recusar sem saber a gravidade da situação! Mas como sou menor de idade fiz o tratamento por ordem judicial e hj eu sei que foi o melhor e estou curada!!! Sofri mto, fui desassociada da organização o q fez com q todos q são tjs parassem de falar comigo inclusive alguns da minha família e namorado. Tive depressão profunda mas hj sou feliz por ter me libertado dessa organização que nos induz a acabar com nossa própria vida! Espero que todos os médicos q aceitam essas circunstância sejam processados e punidos assim como os membros tj, que além de tudo nos faz sofrer psicológicamente!

    ResponderExcluir
  2. A Bíblia não proibe a transfusão de sangue.O texto biblico de Atos 15,29, se refere alimentação ou comer o sangue, o verdadeiro cristão não come. Tentar dizer que o texto de Atos 15,29 é proibição de comer sangue é muita distorção do texto, pois na época não existia transfusão de sangue.A palavra de Deus diz amai ao teu proximo como a ti mesmo, se eu amo meu proximo, eu posso doar sangue para salvar sua vida.A primeira doação de sangue foi no calvario, onde Jesus Cristo, através de seus sangue nos salvaou de nossos pecado.

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget

Gnotícias