quarta-feira, 6 de abril de 2011

Cordeiro ou Coelho?



“Quando, pois, tiverdes entrado na terra que o Senhor vos dará, como tem prometido, guardareis este culto. E quando vossos filhos vos perguntarem: Que quereis dizer com este culto? Respondereis: Este é o sacrifício da páscoa do Senhor, que passou as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu os egípcios, e livrou as nossas casas.” Êxodo 12.25-27
Aproxima-se uma das datas mais importantes do calendário lojista, sim, a Páscoa como é lembrada e comemorada (?), a muito se afastou de sua origem e do verdadeiro sentido.

Pergunte a qualquer criança: O que é a Páscoa? Certamente a resposta será: “A festa do coelhinho”. Entre os cristãos não é diferente. Em tempos de teologia da prosperidade, teologia das sementes, reteté e outras heresias afins, pouco espaço se tem dado à leitura e meditação bíblicas, o que resulta em um total desconhecimento do que é a Páscoa.

Sendo conciso e objetivo:

Primeiramente, a palavra Páscoa tem origem da expressão hebraica “פסח : Pêssach”, derivada do verbo hebraico “LIFSOACH AL” que traduzindo significa “passar por cima, passar poupando”. Esta, aliás, é a expressão literal, "PASS OVER" conforme conta na versão KJV da Bíblia inglesa:

“For the LORD will pass through to smite the Egyptians; and when he seeth the blood upon the lintel, and on the two side posts, the LORD will pass over the door, and will not suffer the destroyer to come in unto your houses to smite you.”  Êx. 12.23 (KJV)

Esqueça esta baboseira toda de que páscoa “é renovação”, “renascimento” etc, isto é mais uma das inúmeras mentiras que o inimigo tem semeado nos corações. 

Analisando o relato bíblico da saída do povo hebreu do Egito, vemos que a última das pragas enviadas por Deus antes da libertação do Seu povo da escravidão, foi a morte dos primogênitos: 

“Porque naquela noite passarei pela terra do Egito, e ferirei todos os primogênitos na terra do Egito, tanto dos homens como dos animais; e sobre todos os deuses do Egito executarei juízos; eu sou o Senhor”. (Êx.12.12).

 Deus deu uma orientação ao povo, que cada família separasse e observasse durante dez dias e sacrificasse, à tardinha, um cordeiro ou cabrito, sem defeito, macho de um ano e aspergisse nos umbrais e na verga da porta o sangue do cordeiro pascal. Onde houvesse sangue, os primogênitos estariam a salvo, Deus passaria por cima da casa, sem executar seu juízo:

 “O cordeiro, ou cabrito, será sem defeito, macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras, e o guardareis até o décimo quarto dia deste mês; e toda a assembléia da congregação de Israel o matará à tardinha: Tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambos os umbrais e na verga da porta, nas casas em que o comerem.” (Êx. 12.5-7)

Naquela mesma noite, deveriam comer o cordeiro assado ao fogo, com pães sem fermento e ervas amargas (v.8). Esta é a Páscoa do Senhor!

A Páscoa no sentido original e verdadeiro é uma figura da obra redentora de Cristo:

 Porque a lei, tendo a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, não pode nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem de ano em ano, aperfeiçoar os que se chegam a Deus.” (Hb 10.1)

O cordeiro é o próprio Jesus:

“Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, abençoando-o, o partiu e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai, comei; isto é o meu corpo. E tomando um cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; pois isto é o meu sangue, o sangue do pacto, o qual é derramado por muitos para remissão dos pecados.” (Mt 26.26-28)

A morte do cordeiro representa a obra redentora de Cristo, derramando Seu Sangue para cumprir a Justiça de Deus e nos remir dos pecados e nos livrar do juízo de Deus, da escravidão do pecado, que tem como resultado a morte daquele que o comete:
 
“E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.” (Hb 9.22)

“Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado.” (I Co 5.7)

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou pão; e, havendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo que é por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo pacto no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes do cálice estareis anunciando a morte do Senhor, até que ele venha.” (I Co 11.23-26)

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 6.23)

E quanto ao coelho ovíparo, ovo e peixe?

Dizem por aí que o coelho simboliza a fertilidade (?), mas, o que fertilidade tem a ver com a páscoa? NADA! E coelho ovíparo, NÃO EXISTE! Botando ovos de chocolate então, estão abusando da nossa inteligência. Aliás, usar o coelho como símbolo da páscoa é uma afronta à Pureza e Santidade de Cristo, um verdadeiro deboche de Satanás. A Bíblia classifica o coelho como um animal imundo, e o consumo de sua carne era proibido aos judeus (Lv 11.6; Dt 14.7). Não parece estranho tirar o foco do “cordeiro sem defeito” (Êx 12.5) e colocá-lo no “coelho imundo” (Lv 11.6; Dt 14.7)?

Defendem ainda, que o ovo simboliza o renascimento (?)... O que isto tem a ver com a Páscoa? NADA!
E o peixe da semana santa? Bem, a Bíblia é clara (to parecendo o Arnaldo César Coelho), a única carne a ser consumida no período pascal era a carne de cordeiro (Êx 12.8).

Precisamos estar atentos aos sofismas satânicos que tem inundado a mente e coração das pessoas, através de simbolismos aparentemente inofensivos (já viu como o coelho é um bicho bonitinho e que não faz mal a ninguém?), mas que trazem consigo uma missão: Afastar a humanidade da Verdade (Jo 8.32). Nesta páscoa, em vez de ovos de chocolate, dê uma Bíblia ao seu filho e obedeça ao mandamento dela (Êx 12.25-27). Já observou que os mais seduzidos pela páscoa midiática são justamente os pequeninos? Qual será o motivo?

Agora que você já sabe a verdade, a escolha é sua, coelho ou cordeiro?

“Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;” Colossenses 2.8

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Gnotícias